2 ago

Quem ama, castra!

castra

 

Alguns tutores de animais sentem pena de castrar seu animal de estimação. Mas, se você ama o seu animal, estenda seu amor aos outros animais.

Por mais cuidadoso que você seja com seu animal, você dificilmente será totalmente capaz de prevenir que ele fuja e procrie com outro animal, ou garantir que todos os filhotes dele sejam doados a pessoas que não irão abandoná-los ou reproduzi-los de forma irresponsável.

As estimativas são alarmantes: apenas uma cadela não castrada e seus filhotes podem geram cerca de 67 mil outros animais em um período de seis anos. Em sete anos, uma gata não castrada e seus filhotes podem gerar cerca de 370 mil filhotes.

A injeção de anticoncepcional (hormônio) em fêmeas não é adequada, pois pode prejudicar a saúde do animal, e até levar à uma morte sofrida e precoce.

O único método de controle populacional indicado pela Organização Mundial da Saúde é a castração, tanto de fêmeas quanto de machos.

Além de controlar a reprodução, a castração ainda gera outros benefícios para a saúde do seu animal. Segundo uma pesquisa realizada pelo Hospital Veterinário de Banfield, nos EUA, cães machos que são castrados vivem em média 18% a mais do que os não castrados e fêmeas castradas vivem 23% a mais.

Isso acontece porque animais castrados são menos propensos a fugir e, portanto, menos expostos a brigas com outros animais ou vítimas de atropelamento. Além disso, cães e gatos castrados correm menos risco de desenvolver alguns tipos de câncer, como de mama, ovário, útero e testículos e, no caso das fêmeas, a piometra e gravidez psicológica.

Ou seja, castrar também é garantir que seu melhor amigo vai viver muitos e muitos anos a seu lado!


Autora: Leticia Maria Domingues é Responsável pela Equipe de Voluntários da UIPA – Itapetininga/SP


 


1 jul

8 Fatos chocantes sobre a pecuária que farão você repensar seus hábitos

gado

 

A pecuária, sem sombra de dúvida, hoje é a maior e principal ameaça ao equilíbrio climático. Isso significa que se você consome carne, ovos, leite e derivados, está contribuindo com a destruição dos ecossistemas.

Conheça dados alarmantes que comprovam que os seus hábitos alimentares poderão, literalmente, salvar-nos ou jogar a humanidade à beira do precipício por conta dos danos da produção animal.

Infelizmente a grande mídia e o governo, incluindo ONGs que se dizem “ambientalistas” (como Greenpeace, WWF, etc.), não tocam no assunto pois possuem vínculos econômicos com os produtores de carne. Geralmente, essas instituições nos falam que precisamos reciclar nossos lixos, tomar banhos mais rápidos, utilizar sacolas recicláveis, andar de bicicleta… Sem nunca revelarem a real vilã da destruição ecológica. E ela permanece quase intocável, porém, seus efeitos silenciosos são um perigo para a nossa civilização, como você poderá conferir abaixo.

1. As florestas perdem um campo de futebol por segundo, devido à criação de pastos pela pecuária;

2. A pecuária consome 1/3 da água do planeta;

3. Comer um quilo de carne bovina equivale a tomar 10 meses de banho;

4. A pecuária é responsável pela emissão de 51% de todos os gases de efeito estufa;

5. 82% das crianças do planeta que passam fome vivem em países onde a produção de alimentos acaba sendo destinada aos animais da pecuária;

6. 39% do lixo do mundo é produzido pela pecuária, tornando-a como a principal fonte de contaminação de oceanos, rios e aquíferos;

7. O gado produz 130 vezes mais excrementos do que a população humana;

8. A pesca para fins alimentícios levará ao colapso da população de peixes até 2050.

Para saber mais sobre esses e outros dados, acesse www.cowspiracy.com/facts (em inglês).


1 jun

Acadêmicos Apóiam novo relatório que descreve a experimentação animal como “moralmente impensável”

rats

 

Mais de 150 acadêmicos, intelectuais e escritores, incluindo Prêmio Nobel, apoiaram um novo relatório pelo fim da normalização da experimentação animal. Intitulado ‘A Normalização do Impensável’, o relatório é o resultado de um grupo de trabalho do Centro de Oxford pela Ética Animal.

O relatório conclui que “o deliberado e rotineiro abuso de animais inocentes e sencientes, envolvendo dano, dor, sofrimento, confinamento, stress, manipulação, comércio e morte deve ser impensável. No entanto, a experimentação animal é justamente isso: a ‘normalização do impensável’. Estima-se que 115.300.000 animais são utilizados em experiências por ano em todo o mundo. Em termos de dano, dor, sofrimento e morte, esta constitui uma das principais questões morais de nosso tempo”.

Composto por 20 especialistas em ética e líderes cientistas, o grupo de trabalho concluiu que as experiências com animais são moral e cientificamente falhas. O relatório é provavelmente a crítica mais abrangente de experiências com animais já publicada, e conclui que a “normalização” das experiências com animais:

• vai contra o que hoje é conhecido sobre a extensão e amplitude de como os animais podem ser prejudicados. A questão da complexidade da consciência animal, especialmente a senciência dos animais (a capacidade de sentir dor e prazer), não pode ser ignorada. Nós sabemos agora que os animais (nomeadamente, mamíferos, aves e répteis) experienciam não somente dor, mas também choque, medo, pressentimento, trauma, ansiedade, estresse, angústia, antecipação e terror.

• baseia-se na idéia desacreditada de que os animais são apenas ferramentas para uso humano, meios para fins humanos, itens fungíveis e commodities que podem ser tratadas e dispensadas, da forma que os seres humanos achem melhor.

• é estendida por uma série de regulamentações e controles, o que, na realidade, fazem muito pouco para proteger os animais e muitas vezes fazem o inverso.


1 jun

Amantes e protetores dos Animais!

uipa1

 

Se você ama os animais, gostaria de fazer mais por eles e ajudá-los a ter um futuro digno e feliz, mas não sabe como, SEJA UM VOLUNTÁRIO! Os principais requisitos são: ter boa vontade e responsabilidade. Abrir o coração e estender as mãos, transformar indignação em solidariedade.

Você pode ser útil de diversas formas: divulgando a nossa página, bem como todas as ações organizadas pela UIPA, arrecadar jornais, cobertores, produtos de limpeza, ração e medicamentos, fazer campanha nas redes sociais, ajudar na organização de eventos como feirinhas e bazares, divulgar em seu blog ou página os nossos animais disponíveis para adoção. Toda e qualquer ajuda é sempre bem vinda, desde que seja comprometida e organizada, de acordo com as necessidades da ONG. Sem o trabalho essencial dos voluntários, as ONGs de proteção animal simplesmente não existiriam. Pequenas e grandes ações fazem toda a diferença na vida de muitos animais.

Deseja ser um voluntário? Entre em contato conosco, através do Facebook (facebook.com/uipa.itapetininga). Pergunte-nos como pode ajudar, nos diga o que pode fazer e qual a sua disponibilidade de tempo, e a responsável pela equipe de voluntários entrará em contato para efetuar seu cadastro e dar as informações e orientações necessárias.

Lembre-se que, ao ser um voluntário, estará assumindo um compromisso com os animais e a comunidade, além de estar fazendo um bem a si mesmo.


1 maio

EUA: chimpanzés são reconhecidos como sujeitos de direito e recebem habeas corpus

gorila

 

Pela primeira vez na história dos Estados Unidos, um juiz concedeu Habeas Corpus a dois chimpanzés, detidos num centro de investigação, onde estavam a ser usados em experiências.

Hercules e Leo estão finalmente livres das experiências que eram sujeitos naquele centro de investigação.

E tudo isto, graças à persistência da organização não governamental, Projeto Direitos dos Não Humanos, e à decisão da Juíza norte americana, Barbara Jaffe.

O Supremo Tribunal de Manhattan concedeu Habeas Corpus a dois chimpanzés atribuindo assim, aos dois animais, os mesmos direitos que tem o homem.

A Lei, a ciência e a história provam que os chimpanzés têm características, incluindo autoconhecimento e empatia, que “instituem personalidade” e o correspondente direito à liberdade, argumenta a organização que não podia estar mais contente com esta decisão.

Os animais vão ser agora libertados e enviados para um santuário para viverem o resto das suas vidas em liberdade.

Esta decisão abre um precedente legal e dá ainda mais força à Organização Projeto Direitos dos Não Humanos, para continuar o trabalho.

“Temos evidências científicas, para provar em tribunal, que elefantes, baleias e golfinhos são autônomos e por isso tem direito a viver em liberdade” disse Natalie Prosin, do Projeto Direitos dos Não Humanos

Existem ainda dois casos semelhantes a este. Dois chimpanzés, o Kiko e o Tommy aguardam decisão dos vários recursos interpostos pela organização Projeto Direitos dos Não Humanos.

Mesmo que vagarosamente, cada vez mais outras espécies de animais estão recebendo maior respeito e direito a liberdade e a vida.