2 out

KIAI

kiai

 

A palavra “Kiai” muito utilizada por praticantes de artes marciais, tem significado muito mais profundo do que simplesmente traduzi-la como “Grito”.

O ki pode ser traduzido como, energia universal que governa toda a vida, fonte de energia inerente à raça humana (energia das energias). A existência do Ki e a maneira de controle dessa energia, sempre foram associadas às artes marciais que por sua vez acabou por monopolizar, dando a ideia que pessoas comuns não têm a possibilidade de aspirar. De qualquer forma esse é um pensamento errado, pois a energia Ki está em toda atividade do homem.

Fisiologicamente podemos descrever o Kiai ou “grito” como contração do diafragma com a qual acompanhamos um ataque ou defesa particularmente intensos. Na realidade essa maneira de buscar energia extra para realizar algum trabalho que necessite de uma força a mais no final é comum.

Etimologicamente Kiai está composta por dois ideogramas, 気 ki e 合 ai.

Ki – significando mente, espírito e Ai – união, concentração, literalmente Kiai é a união do espírito e da mente para se alcançar algo, nos indica a conjunção que se pretende conseguir e que não se limita a um mecanismo físico ou gesto supressivo. Essa combinação de Ki + Ai, denota uma condição nas quais duas mentes estão unificadas de tal maneira que a mais forte controla a mais fraca. Psicologicamente, esta é a arte de concentrar toda energia mental num só objeto e fisicamente, é a arte da respiração profunda e prolongada para nutrir a vida.

As artes marciais estão divididas em muitos ramos, mas, o Kiai é a vida de todas elas, sem kiai, nenhuma chegará à perfeição ou resultado desejado. Para o guerreiro japonês, o segredo reside no Kiai, não é o combatente que consegue o controle sobre seu antagonista e vence, não é a arte ou luta senão o Kiai que brinda o combatente com o poder de conseguir o controle.

Yamoaka Tesshu, maior esgrimista de seu tempo revela:

“Não fixe tua mente na atitude que assume teu rival, nem assuma como tua, nem tão pouco com sua espada. Ao contrário fixe tua mente em teu saika tandem (região do abdômen abaixo do umbigo) e nem pense em golpear teu oponente e nem receber um golpe por parte dele. afaste todo desígnio especifico e precipite-se no ataque, no momento em que vejas a teu inimigo, no ato de bramir a espada sobre tua cabeça”

Agora, consideremos o Kiai em conexão com a respiração. Quando se expele o ar dos pulmões, sente-se relaxar com os músculos e ossos enquanto que ao chegar aos pulmões, o abdome se contrai se há consciência do fenômeno oposto. Ao expelir o ar, se perde viogor, enquanto que ao inalar se ganha força. Na  linguagem isotérica japonesa, a última condição é chamada “Plenitude” (Jitsu) e a primeira ”Vacuidade” (Kyo). Atacar a vacuidade com plenitude é um meio seguro de obter vitória assegurada. Ao menos, assim é a teoria.

Olhando sob esta luz, kiai deve ser considerado sinônimo do ato de respirar.

fontes:
Severino, Prof. Roque Enrique. O Espírito das artes marciais.2010. Ed. Nelpa. São Paulo.
Curso pratico de artes marciais, Ed. Século Futuro. 1990. Rio de Janeiro.


Autor: Ms. Claudio Ribeiro é Terapeuta holístico, Educador físico, filósofo, psicopedagogo, mestre em artes marciais


Saiba mais sobre nosso serviço de TAI CHI CHUAN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.