9 ago

15 características da ENERGIA ORGÔNICA (Prána, Bioenergia)

 

Você sabe quais as características do Prána, conhecido também por Chi pelos chineses, ou por Ki pelos japoneses, ou por Bioenergia, ou ainda por Energia Orgônica, entre outro nomes?

Essa energia deixou de ser uma força metafórica e hipotética para ser comprovadamente uma energia física, ainda que pouco estudada, divulgada e conhecida, até mesmo entre a maioria dos cientistas.

Ela possui inúmeras propriedades, características e aplicações. Segue então 15 de suas características:

  1. A Energia Orgônica é carregada e irradiada de todas as substâncias vivas e não vivas.
  2. Ela pode facilmente penetrar em todas as formas de matéria, porém com diferentes níveis de velocidade e influência.
  3. Todas as matérias afetam de alguma forma a energia orgônica, atraindo-a e absorvendo-a, ou também repelindo-a ou refletindo-a
  4. Ela é acumulada pelos seres vivos através da alimentação, da água, da respiração e pela pele.
  5. Ela pode ser influenciada, dirigida e moldada pela concentração mental de pessoas devidamente treinadas.
  6. Ela pode ser vista, sentida, medida e fotografada.
  7. Ela também se manifesta de forma livre na atmosfera e no vácuo.
  8. Ela é excitável, concentrável e espontaneamente pulsátil, capaz de se expandir e de se contrair.
  9. A carga de energia orgônica em determinado ambiente ou em certa substância, vai variar ao longo do tempo, normalmente de modo cíclico.
  10. A energia orgônica é mais fortemente atraída para coisas vivas, para a água e para si mesma.
  11. Ela apresenta excitação e atração mútua de separadas correntes de energia orgônica ou de sistemas separados carregados com prána.
  12. A energia orgônica pode seguir um determinado curso, ou flutuar de um lugar para outro na atmosfera, mas ela geralmente mantém um fluxo do oeste para o leste, movendo-se com a rotação da Terra, porém ligeiramente mais rápida.
  13. A energia orgônica é livre de massa.
  14. Ela também é negativamente entrópica.
  15. A energia orgônica se relaciona diferentemente com outras formas de energia, como a nuclear, eletromagnética, elétrica, fricção etc)

Quanta coisa interessante eim?. E quase ninguém sabe!


4 ago

Meditação altera cérebro e reduz estresse e inflamação

 

Uma pesquisa recente mostrou que a meditação pode mudar o cérebro de pessoas comuns e potencialmente melhorar a sua saúde, além de reduzir o estresse

O estudo foi publicado agora em julho de 2016 na Biological Psychiatry Journal, pelo pesquisador J. David Creswell e seus colaboradores do Departamento of Psicologia e Centro de Bases Neurais e Cognição da Universidade Carnegie Mellon, Pittsburgh, Pennsylvania.

Os pesquisadores levantaram que alguns experimentos anteriores sobre meditação apresentavam uma dificuldade metodológica devido ao efeito placebo.

Assim, neste experimento foram recrutados 35 homens e mulheres desempregados que estavam a procura de trabalho e apresentavam estresse considerável. Foram coletadas amostras de sangue e feitas varreduras de imagem no cérebro.

Para o grupo experimental foi ensinada um tipo específico de meditação, a mindfullnes, e para o outro grupo, o grupo controle, foi ensinada uma falsa meditação em que apenas oferecia relaxamento e distração das preocupações e estresse.

Ao final de 3 dias os integrantes dos 2 grupos relataram sentirem-se revigorados e capazes de suportar o estresse do desemprego. Contudo, o scaneamento cerebral mostrou diferenças naqueles que treinaram a modalidade de meditação autêntica. Nesses, havia mais atividade nos setores de seus cérebros que processam reações relacionadas com o estresse e outras áreas relacionadas com o foco e calma.

O mais interessante é que quatro meses depois, os integrantes do grupo que treinaram meditação apresentavam níveis muito mais baixos no sangue de um marcador de inflamação.

Os pesquisadores supõem que as mudanças do cérebro construiram para a subsequente redução na inflamação, mas ainda não sabem precisamente como isso acontece.

Fonte: http://www.biologicalpsychiatryjournal.com/article/S0006-3223(16)00079-2/abstract


1 ago

NAMASTÊ: seu significado é mais simples do que costumam dizer [Yoga – Conceitos]

 

Provavelmente você já ouviu várias vezes por ai algumas pessoas falando “Namastê”, e muitas delas unindo as palmas das mãos na frente do peito.

Os mais desinformados até confundem com algo religioso por parecer um pouco com o Amém dito pelos cristão, mas tem um significado e aplicação bem diferentes.

Mas afinal, o que significa essa palavra que virou modismo em vários círculos?

Se você dar uma pesquisada rápida, você vai encontrar uma definição bem bonita e profunda do seu significado:

A ESSÊNCIA DIVINA QUE ESTÁ DENTRO DE MIM REVERENCIA A ESSÊNCIA DIVINA QUE HABITA EM VOCÊ

ou então

O QUE EXISTE DE MELHOR EM MIM SAÚDA O QUE EXISTE DE MELHOR EM VOCÊ

É bonito. É poético. Chega a ser algo bem espiritual até.

Contudo, apesar dessas versões serem muito veiculadas hoje, especialmente por essa sua estética poética e pelo modismo que dela brotou, o real significado da palavra Namastê é bem mais simples.

ORIGEM E PREDOMINÂNCIA
A palavra Namastê trata-se de um cumprimento ou saudação que procura transmitir um grande sentimento de respeito. Ela é falada com mais frequência no Sul da Ásia, especialmente na Índia e no Nepal por hindus, sikhs, jainistas e budistas.

A origem do namastê é muito remota. É uma palavra oriunda do idioma sânscrito, uma língua ancestral da Índia. É uma língua morta, assim como o latim. O sânscrito é considerado uma língua sagrada dentro do hinduísmo. Os linguistas consideram o sânscrito um idioma perfeito e completo do ponto de vista gramatical.

Namastê é também a primeira palavra em um antigo mantra vêdico para Shiva, chamado Sri Rudram, e que aparece no Rig Veda, o livro mais antigo da Humanidade, que trata extensamente da vida e do Yoga. Na descrição deste vídeo ou no nosso blog você encontra a transcrição desse mantra, bem como a sua tradução.

Segue a transcrição do mantra Sri Rudram:

NamasteastuBhavagānViśveśvarāya
MahadevāyaTryambakāya
TripurantakāyaTrikālagnikālāya
KālāgnirudrāyaNīlakaṇṭhāya
MṛtyuñjayāyaSarveśvarāya
SadaśivāyaŚrīmanmahadevāyanamaḥ.

E a tradução do mantra se diz:

“Minha saudação a você, Senhor, Mestre do Universo, Grande Senhor, dotado de três olhos, Destruidor de Tripura, Destruidor do fogo Trikala e do fogo da morte, Aquele de Garganta Azul, o Vitorioso sobre a Morte, o Senhor de Tudo, o Sempre-Auspicioso, o Glorioso Senhor de todas as Deidades”.

FORMAS DE USO
Os hindus usam o Namastê de formas variadas:

  • saudação,
  • despedida,
  • para agradecer e pedir,
  • para demonstrar respeito
  • em funerais (neste caso não o pronunciam, apenas fazem o gesto)

Geralmente a pronuncia do Namastê é acompanhada pelo gesto de juntar as palmas das mãos, colocando-as no centro do peito (Prônan Mudra ou Añjali Mudrá) e com uma ligeira inclinação do troco para frente. Para indicar profundo respeito, pode-se colocar as mãos em frente a testa, e no caso de reverência a uma divindade ou santidade, coloca-se a mão completamente acima da cabeça.

Namastê é também usado como um cumprimento na comunicação escrita.

Muitos praticantes de Yoga utilizam com frequência a palavra Namastê, geralmente como uma despedida no final da aula. Mas isso pode mudar de escola para escola, como é o caso da nossa.

SIGNIFICADO
Namastê é uma palavra composta. O termo “namas” significa saudação ou reverência e etimologicamente vem do “nam”, que quer dizer prostrar ou inclinar. O sufixo “te” é um pronome pessoal que significa “a você” ou “a ti”. Então, se juntarmos os significados, descobrimos que namastê quer dizer algo como “saudações a você” (“eu o saúdo”) ou “reverência a ti” (“eu o reverencio”).

Na descrição desse vídeo e em algum lugar aqui na tela tem um link para um vídeo curto do Fabrício Almeida, professor de Vedanta e Sânscrito, esclarecendo em mais detalhes sobre a composição da palavra Namastê.

https://www.youtube.com/watch?v=OCwsnLMpOBw

O MODISMO POÉTICO DO NAMASTÊ
Como muita coisa do oriente que vem aqui para ocidente, acabamos misturando com coisas que inventamos ou com outras que apesar de serem parecidas, tem uma base e contexto histórico muito diferente. E quando você começa a pesquisar, descobre que muito do que se falava não estava lá nas referências históricas.

Este é o caso da palavra Namastê, que nas últimas décadas sofreu uma deturpação do significado original.

A moda é atribuir seu significado a algo parecido como: “o Deus que habita no meu coração saúda o Deus que habita no seu coração”.

Esse gesto expressa um grande sentimento de respeito, invoca a percepção de que todos indivíduos compartilham da mesma essência, da mesma energia, do mesmo universo, portanto o termo e a ação possuem uma força pacificadora muito intensa.

Na verdade, essa expressão é apenas um trecho, pois o original é:

“O Deus que habita no meu coração, saúda o Deus que habita no seu coração. Mais radiante do que o Sol. Mais puro que a neve. Mais sutil que o éter. Esse é o Ser, o Espírito Supremo de Deus, conhecido como Paramatma, a diminuta partícula divina, que está dentro do coração de cada um de nós. Esse Ser está em mim, esse Ser está você. Está em você, e está em tudo. Grandiosa também é a alma, o ser que também habita o coração ao lado do Ser Supremo.”

Grandão né! Pensa chegar em alguém e o cumprimentar com tudo isso. Ou a pessoa sai correndo ou te transforma em um mestre espiritual, rs. Em todo caso, esse é o texto original de onde surgiu essa explicação ocidentalizada e poética do significado da palavra Namastê. É incerto a sua fonte ou autor. Alguns atribuem que faz parte do Bhagavad-Gita, uma escritura antiga hindu que compõem a epopeia Maha Bhárata, mas pelo menos na tradução que tenho não encontrei esse trecho.

OUTRO SIGNIFICADO E OUTRA PALAVRA
Alguns também explicam que o termo “nama” pode ser interpretado como “nada é meu”, o que significa que meu ego está reduzido a nada, conotando uma atitude de humildade diante do outro.

É comum também na Índia utilizar a palavra Namaskara ou Namaskar no lugar de Namastê, mas neste caso em ocasiões mais formais.

CONSTATAÇÃO DE QUEM VIAJA A ÍNDIA
Quem viaja a Índia, costuma constatar in loco a simplicidade como é utilizada a palavra Namastê. É como um “olá” ou um “bom dia” utilizado com bastante frequência pelo indiano comum.

No mês passado nossa amiga Luciana Farias  esteve algumas semanas na Índia, e ela mesma se surpreendeu com essa particularidade da palavra Namastê. Ela constatou que o indiano comum a utiliza com uma simples saudação respeitosa, e quando a Luciana comentava o que ela tinha aprendido aqui no Brasil o que significava essa palavra, os indianos se espantavam e diziam que não tinha nada a ver.

Assim como ela, outras pessoas que conheço também relataram a mesma experiência.

Claro que na Índia, assim como tem uma espiritualizada abundante, também há um oportunismo e capitalismo exploradores, então não e difícil hoje ver que alguns lugares de lá que são mais visados turisticamente adotarem essa perspectiva ocidental do termo Namastê apenas para agradarem a clientela.

É isso pessoal, Namastê!


25 jul

Dicas para a Semana Nº 08 [#Programa Vida Plena]

 

1. Viva sua vida com integridade, compaixão e um saudável senso de humor
2. Peça ajuda quando precisar
3. Quando você se aceita exatamente como é, ai então você pode mudar
4. Transforme sentimentos gentis em ações
5. Valorize seu bairro, faça compras nele
6. Vá devagar e suavemente
7. Construa uma casa mais ecológica e com materiais reciclados

Vozes e Som: Edvan Lemes
Edição de Vídeo: Lucas de Oliveira Ferreira


12 jul

Dicas para a Semana Nº 07 [#Programa Vida Plena]

plena

 

1. Assegure-se que suas palavras e atos expressam sua compaixão
2. Mantenha-se focado no seu objetivo
3. Comece a perceber a diferença entre amor e apego, entre perda e magoa
4. Encare seu trabalho como significativo
5. Compartilhe conhecimento para adquirir conhecimento
6. Não importa quanta bondade você faz, faça mais
7. Tente não assistir televisão

Vozes e Som: Edvan Lemes
Edição de Vídeo: Lucas de Oliveira Ferreira